ADALBERTO KLÜSER


TIJUCAS NO FUTEBOL

PRIMEIRO JOGO NOTURNO EM SANTA CATARINA

 

Inauguração do estádio do Brasil na rua Lauro Santana em 1930

 

Estádio do Lopes Vieira em 1930

 

O primeiro jogo de futebol com luz artificial em Santa Catarina ocorreu no dia 22 de julho de 1934 em Tijucas, cidade distante cerca de 50 quilômetros de Florianópolis.

O Sport Club Tijucas recebeu a visita do Clube Náutico Marcílio Dias, de Itajaí.

Um festival esportivo, iniciado às 14 horas, reuniu equipes da cidade e região. Uma comissão de colaboradores instalou barracas com bebidas, doces, churrascos e até um tablado para dança ao ar livre.

A partida de honra começou às 21 horas. O clima era animado e o público superava a marca de mil pessoas, uma multidão para a pequena comunidade de Tijucas.  Até um peru foi arrematado em leilão.

As duas equipes entraram em campo sob aplausos do público. A iluminação não era nenhuma maravilha e os goleiros quase não conseguiam ver a trave adversária. Em dez minutos de jogo o Sport Club Tijucas faz 2 a 0, gols de Antenor e Sebastião.

Depois disso, a equipe perdeu-se em campo. Muitos jogadores tijuquenses haviam consumido muita bebida alcoólica durante a tarde e estavam embriagados.  O Marcílio Dias percebendo isso partiu pra cima e conseguiu virar o placar para 6 a 2.

O Tijucas atuou com Lauro, Pedro, Lídio, Nerval, Neves (Borgia), Joca Rosa, Flores, Zequinha, Sebastião, Joquinha e Antenor. O nome do árbitro e a escalação do time vencedor não foi registrada.

                Este foi um dos mais memoráveis momentos do futebol tijuquense. A cidade já teve muitas equipes e a proximidade com Florianópolis, Itajaí, Brusque e Blumenau, facilitou o intercâmbio entre as equipes.

 

CLUBES DE TIJUCAS

  

                Os primeiros clubes surgiram entre 1914 e 1919: Guarani FBC, Benjamim Galloti FBC, Tijuquense e Brasil Esporte Clube. Este último foi o primeiro time da cidade a disputar o campeonato catarinense em 1928. Mais tarde, SC Tijucas, Lopes Vieira e Tiradentes também ganharam destaque na história do futebol de Tijucas.

                A cidade também tem tradição no futebol amador. Equipes como Renascença, Joaia,  XV de Novembro, Praça, Areias, Santa Helena, 5 Estrelas e Guarani de Morretes, mantêm a tradição do bom futebol no município.

               

Agradecimentos: Jorge Fidêncio da Costa, Antônio da Costa e Leda Regina de Souza.

 



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 22h13 [] [envie esta mensagem] []






FUTEBOL LAGEANO

A OLINKRAFT DE IGARAS

Na década de 60, quando a Federação Catarinense de Futebol ampliou o número de participantes do Campeonato Estadual, muitos clubes tiveram alguns momentos de destaque.

 

Um deles é a Sociedade Esportiva e Recreativa Olinkraft, da localidade de Igaras, distrito de Otacílio Costa (emancipou-se em 1982), em Lages. Era o time da Olinkraft Celulose e Papel Ltda (atual Klabin), maior produtora e exportadora de papéis do Brasil, na época com 450 funcionários (hoje tem 1400).

 

A força econômica da empresa facilitou na contratação de bons jogadores . Lomeyer, do Guarani de Florianópolis, e  Cleuson, com passagem pelo Caxias de Joinville estavam entre os destaques do time.  Os atletas eram contratados como funcionários da empresa e liberados para treinos, jogos e viagens.

 

Eles ajudaram a Olinkraft na conquista do título da Liga Serrana de Desportos em 1963. E não foi um triunfo fácil, pois os principais rivais eram os tradicionais Guarany, do Batalhão Ferroviário do Exército, e o Internacional de Lages, que viria a ser campeão catarinense em 1965.

 

Os jogos em casa eram no campo da Olinkraft, no bairro Igaras. As cores do escudo e uniforme eram vermelha, verde e branca.

Em pe: Índio, Remi, Baixinho, Cleuson, Leoquídio e Luiz Henrique

Agachados: Jonil, Lohmeyer, Ferrugem, Valeri e Tavico

 

Lohmeyer, artilheiro do Olinkraft

 

HISTÓRICO DA OLINKRAFT – A empresa iniciou as atividades em 1958 em Otacílio Costa com o nome de Olinkraft Celulose e Papel Ltda. Em 1982 mudou a denominação para Manville Produtos Florestais e em 1992 para Igaras Papéis e Embalagens. Em 2000 a empresa foi adquirida pela Klabin Argentina S.A., com o objetivo de ampliar sua atuação no mercado internacional.

 

Olinkraft com as faixa de campeão da Liga Serrana de Desportos de1963

 

CAMPEONATO CATARINENSE

 

Empolgado com a conquista regional, e com direito adquirido em campo, a Olinkraft aventurou-se a participar do estadual.

 

A equipe tricolor integrou a Zona 3 do Campeonato Catarinense de 1963. A chave reunia Botafogo e Santa Cruz, de Canoinhas; Operário e Pery, de Mafra; Tamandaré e Juventus, de Porto União; Guarany, Internacional e Olinkraft, de Lages.

 

Era um grupo difícil não pela força dos adversários, mas pela distância entre as cidades. O péssimo sistema rodoviário transformava as viagens em verdadeiras aventuras.

 

As viagens eram feitas em ônibus especial locado pela empresa. Um luxo que poucos times do interior tinham na época. Muitas delegações que disputavam o estadual viajavam em kombis, carrocerias de caminhões ou caravana de automóveis.

 

A estréia foi no dia 15 de março de 1964 contra o Operário de Mafra. A campanha foi muito boa e terminou a primeira fase em segundo lugar, atrás apenas do rival Internacional.

 

Mesmo conseguindo a classificação, a Olinkraft desistiu de continuar na competição. Entre os motivos da saída estava o alto custo das despesas com as viagens. Pediu licença na Federação e não mais voltou ao cenário do futebol catarinense.

São poucos os registros em jornais e documentos dos feitos da equipe, mas relacionamos abaixo alguns jogos pelo Campeonato Catarinense:

15/3 – Olinkraft 1 x 0 Operário

22/3 – Juventus 0 x 2 Olinkraft

29/3 – Olinkraft 1 x 0 Internacional

5/4 – Botafogo 3 x 1 Olinkraft

12/4 – Olinkraft 4 x 0 Tamandaré

19/4 – Guarany 3 x 0 Olinkraft

3/5 – Olinkraft 6 x 1 Santa Cruz

17/7 – Olinkraft 2 x 1 Guarany

2/8 – Santa Cruz 1 x 0 Olinkraft

9/8 – Olinkraft 2 x 0 Pery

16/8 – Internacional 2 x 1 Olinkraft

23/8 – Olinkraft 3 x 2 Botafogo

Classificados:

 Internacional – 27 PG

Olinkraft – 23 PG

Santa Cruz 20 PG

Pery 18 PG

Guarany  18 PG

 

Fotos: acervo José Silva Lohmeyer, Adalberto Klüser e Foto São José

Fontes: site da Klabin, Janete Boro Bisato (dissertação Ufsc/1996),Evaldo Pauli (IHG/Ufsc)

Escudo redesenhado por Priscila Klüser



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 20h34 [] [envie esta mensagem] []






FUTEBOL DA LARM

ITAÚNA E TREVISO DE SIDERÓPOLIS 

 

ITAÚNA ATLÉTICO CLUBE

 

GRÊMIO ESPORTIVO TREVISO

 

Itaúna e Treviso de Siderópolis marcaram época no futebol da região sul de Santa Catarina. Os dois somam doze títulos da LARM – Liga Atlética da Região Mineira (abrange Criciúma e municípios vizinhos), um dos principais campeonatos regionais do Estado.

 

 Entre 1965 e 1973 os rivais alternaram nas conquistas da LARM. Levaram nove títulos consecutivos para a orgulhosa cidade de Siderópolis.

 

O Itaúna, também chamado de “clube da montanha” ou do “rio Fiorita”, participa ainda do campeonato regional.  Almerindo, com presença em várias partidas da seleção catarinense no Campeonato Brasileiro, Frécia, Biróide e Dego, são alguns grandes atletas da história do clube.

 

Ao contrário do que possa parecer, o nome Treviso origina-se do “trevo de quatro folhas” e não da Carbonífera Treviso, que apoiou o clube. Nas cores o time era um camaleão. Muitos uniformes foram utilizados ao longo da história, mas o que mais prevaleceu foi o verde e branco. O Treviso está extinto e o terreno onde ficava o estádio foi doado para a Prefeitura Municipal de Siderópolis.

 

ITAUNA ATLÉTICO CLUBE

Fundação: 4 de dezembro de 1952

Estádio: Engenheiro Mozart Vieira

Títulos: Campeão da LARM em 1956, 66, 67, 70, 71, 73, 76 e 91.

Cores: azul e branca

 

GRÊMIO ESPORTIVO TREVISO

Fundação: 3 de julho de 1956

Estádio: Engenheiro Sebastião Toledo dos Santos

Títulos: campeão da Liga de Lauro Müller em 1961 e da LARM em 1965, 68, 69 e 72 e da segunda divisão amadora em 1958 e 59.

Cores: verde e branca

 

Fotos: Siderópolis na Web



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 00h23 [] [envie esta mensagem] []






LEÃO DA ILHA EM FESTA

AVAÍ COMPLETA 85 ANOS

 

Fundado em 1º de setembro de 1923, o Avaí Futebol Clube de Florianópolis completa 85 anos de existência. É membro fundador da Federação Catarinense de Futebol e foi o primeiro campeão catarinense em 1924.

 

O clube azurra, que possui um título brasileiro da Série C em 1998 e das 13 conquistas estaduais, carrega consigo nomes de craques inesquecíveis.

 

 Teixeirinha vestindo a camisa do Avaí contra o Bangu

 

A lista começa com Adolfo Boos e passa por Sabbas, Periquito, Adolfinho, Saul, Nizeta, Felipinho, Cavalazzi, Rogério, Zenon, Veneza, Décio Antônio, Adilson Heleno, Flávio Roberto, Jacaré, César Silva, Marquinhos, Válber, Evando.... e por aí vai.

 

Algumas goleadas do Avaí ficaram marcadas na história do futebol catarinense. Entre elas, citamos o 11 a 2 no Figueirense em 1938. Na decisão do estadual, de 1943 a Esquadra Azurra atropelou o América de Joinville por 14 a 3 (7 a 3 no tempo normal e 7 a 0 na prorrogação). No ano seguinte fez 21 a 3 no Paula Ramos.

 

Os títulos estaduais de 1975 sobre o eterno rival Figueirense e o de 1988 sobre o Blumenau com Adilson Heleno e sua trupe são lembrados com saudade pelo torcedor.

 

A história é grande... o registro fica por aqui.

 

Parabéns AVAÍ FUTEBOL CLUBE!

 

Foto colorizada por Válter Klüser



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 00h53 [] [envie esta mensagem] []






FUTEBOL EM RANCHO QUEIMADO

FAMÍLIA GOEDERT VENCEU VERA CRUZ DE BOM RETIRO

  

                                                  

 

No dia 11 de janeiro de 1959, na localidade de Taquaras, em Rancho Queimado-SC, houve uma partida comemorativa em homenagem aos 70 anos do casamento de Jacó Alfredo Goedert e Margarida Kammers Goedert. O matrimônio deles ocorreu em 7 de janeiro de 1899.

 

Um time formado apenas com netos do casal venceu o Vera Cruz, de Bom Retiro, por 5 a 4. Uma verdadeira vitória em família.

 

O onze vencedor: Waldemiro; Wilmar, Nelito, Wilbert, Amauri, Wenceslau, Walcírio (Romero), Waldir, Silvio, Walmor e Alaor.

 

Os gols da família Goedert: Silvio (3), Wenceslau e Alaor. Os vencidos marcaram através de Babá, Adilson, Nego e Rui.

 

O Vera Cruz profissionalizou-se em 2003 e disputou o Campeonato Catarinense da Segunda Divisão daquele ano, depois voltou ao amadorismo.

 

Fonte: jornal O Estado, Soccer Logos (distintivo) e site de genealogia Gustavo Roberge Goedert.

 



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 02h44 [] [envie esta mensagem] []






FUTEBOL AMADOR

NOS TEMPOS DA COPA ARIZONA

 

Nos anos 70, a Companhia Souza Cruz realizou a Copa Arizona de Futebol Amador. A competição conseguiu reunir 5.200 equipes varzeanas e mais 104 mil atletas em todo o Brasil.

 

O primeiro ano da disputa em Santa Catarina foi em 1975 e teve a participação de 64 equipes. O desfile de abertura aconteceu na tarde de 26 de abril no estádio Orlando Scarpelli, do Figueirense.

 

Foi uma das maiores festas esportivas já vistas em Florianópolis. O jornalista Fernando Linhares da Silva foi o mestre de cerimônia. A equipe Veneno, de Biguaçu, recebeu a simpatia do público e da comissão julgadora. Recebeu um prêmio de Cr$ 5 mil.

 

Osni Gonçalves, o Nizeta (ídolo do Avaí nos anos 40 e 50), de 60 anos, da equipe Escola Industrial, fez o juramento do atleta. Orlando Pessi, o popular Torrada, conduziu a tocha olímpica.

 

Os jogos foram realizados nos estádios Adolfo Konder, Orlando Scarpelli, Renato Silveira (Guarani de Palhoça) e campos do Educandário e Base Aérea de Florianópolis.

 

A equipe campeã teve a honra de representar o Estado na fase nacional disputada em São Paulo.

Participantes:

Chave 1 – Assembléia Legislativa, Operário, Diamante, Centro Tecnologia UFSC, Metropol, Mangueira, Servidores da Escola Industrial, Planalto, Estreito, Amizade, Sul América, Atlântico, Saldanha da Gama, Cerâmica São Jorge e Polícia Militar.

 

Chave 2 – Rita Maria, Agronômica, Clube Universitário, Ataliba, Triunfo, Santos Dumont, Trindadense, Koerich, Dasp, Usati (São João Batista), Abecelesc, Miami, Bangu, Oswaldo Cruz, Portuguesa, Corpo de Bombeiros.

 

Chave 3 – Guarani A, Guarani B, Santa Maria, Grêmio Montgomery, Avaí de São José, Müller & Filhos, Apifesc, Cejam, Grêmio Secretaria da Saúde, União, Beira Mar, Fundação Hospitalar, Ivoran, Sete de Setembro, Ícaro, Nautilus.

 

Chave 4 – Praça XV, Curso Odonto Ufsc, Grêmio Hospital Servidores, Ajax, Fernando Raulino, Santa Cruz, Bela Vista, Florisa, Avante (Santo Antônio de Lisboa), Palmeiras, Tijuquinhas, Ferroviário, Paula Ramos Junior, Guaporé, Veneno, Prainha.

 

QUARTAS DE FINAL – Estádio Adolfo Konder

11/5/1975 - Ajax 3 x 1 Veneno

11/5/1975 - Clube Universitário 0 x 1 Agronômica

11/5/1975 - Saldanha da Gama 1 x 0 Polícia Militar

11/5/1975 - Guarani A 2 x 1 Cejam (3 a 1 pênaltis)

 

SEMIFINAL

18/5/1975 – Agronômica 0 x 2 Saldanha da Gama (estádio Renato Silveira - Guarani)

21/5/1975 – Ajax 2 x 1 Guarani A (estádio Orlando Scarpelli  - Figueirense)

 

FASE FINAL – Estádio Adolfo Konder (público estimado: 5 mil espectadores)

24/5/1975 – Agronômica 2 x 1 Guarani A (decisão do 3º lugar)

24/5/1975 – Ajax 0 x 0 Saldanha da Gama – 4 x 2 pênaltis

 

Campeão: Ajax Futebol Clube – Saco dos Limões (Florianópolis)

Vice-campeão: Saldanha da Gama – Barreiros (São José)

Artilheiro: Renato (Ajax) com 8 gols.

Goleiro menos vazado: Renato (Saldanha da Gama), nenhum gol sofrido em seis jogos (apenas nas decisões por pênaltis)

Taça Disciplina: Agronômica (Florianópolis)

 

AJAX É VICE-CAMPEÃO NACIONAL

 

A fase nacional da Copa Arizona de 1975 foi disputada em São Paulo, com apaio do jornal A Gazeta Esportiva, e teve a participação de oito campeões estaduais.

Ajax – Santa Catarina

Real Madrid – Minas Gerais

Colorado – Paraná

Unidos do Sobradinho – Distrito Federal

Ouro Verde – Rio Grande do Sul

Romeu Martins – Ceará

Golfinho – São Paulo

Moleque Travesso – SP

 

No dia 20 de junho o Ajax venceu o Real Madrid, no estádio do Nacional, por 1 a 0, gol de Gilberto.

O Moleque Travesso (não confundir com o Juventus) foi a vítima da semifinal: 1 a 0.

A decisão foi disputada dia 22, no estádio da rua Javari, entre Ajax e Colorado. Vitória dos paranaenses por 3 a 0.

 

Mesmo com o segundo lugar, o Ajax foi recebido com festa, inclusive com desfile em carro aberto pelas ruas da cidade até chegar ao bairro Saco dos Limões, sede do clube.

 

A equipe vice-campeã nacional: Peixinho, Platt, Zulmar, Chico Botelho, Clóvis, Ricardo, Gilberto, Jucélio (Romeu), Márcio (Edson), Renato e Alfredo. Técnico: Tuta.

 

Fonte: jornal O Estado (Florianópolis), arquivo do Ajax FC (agradecimento família Botelho), acervo Adalberto Klüser.



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 18h23 [] [envie esta mensagem] []






GRANDES GOLEADAS DO FUTEBOL CATARINENSE - PARTE 2

                          

                     Estádio Adolfo Konder em Florianópolis: palco de grandes goleadas

 

Segunda parte da série com as grandes goleadas do futebol de Santa Catarina.

 

25/10/1915 – São José 0 x 11 Riachuelo (Florianópolis) – Amistoso

12/10/1926 – América (Joinville) 10 x 1 Joinville FC – Amistoso

21/11/1926 – Caxias 13 x 1 Internacional (Araquari) – Amistoso

1º/11/1927 – América 8 x 1 Ferroviário (Curitiba - PR) – Amistoso

14/10/1928 – Caxias 9 x 0 Bataclan (São Francisco do Sul) – Amistoso

29/5/1929 – Caxias 9 x 1 União SC (Canoinhas) - Amistoso

7/4/1929 – Caxias 11 x 4 Seleção Clubes Médios – Amistoso

24/11/1929 – Ypiranga (S.F. Sul) 13 x 2 Rocio Grande - Amistoso

9/5/1937 – Figueirense 10 x 2 Íris – Campeonato de Florianópolis / Estadual

5/5/1940 – Atlético Catarinense 13 x 1 Tamandaré – Camp. de Florianópolis

15/9/1940 – Recreativo Brasil (Blumenau) 9 x 1 Lages FC – Amistoso

19/1/1941 – Sel. Florianópolis 11 x 2 Figueirense – Amistoso

9/8/1942 – Avaí 10 x 2 Figueirense – Campeonato de Florianópolis

4/1/1942 – Avaí 10 x 2 Combinado Vale do Itajaí – Amistoso

3/1/1943 – América (Joinville) 0 x 9 Canto do Rio (Niterói-RJ) – Amistoso

29/10/1944 – Figueirense 8 x 1 Lopes Vieira – Campeonato de Florianópolis

10/12/1944 – Avaí 12 x 5 Colegial – Campeonato de Florianópolis

14/10/1945 – Colegial 9 x 1 Bocaiúva – Campeonato de Florianópolis

25/8/1946 – Colegial 10 x 5 Coroados – Camp. De Florianópolis (2ª Divisão)

13/3/1949 – Paysandu (Brusque) 9 x 3 Ipiranga (Florianópolis) – Amistoso

13/5/1949 – Olímpico (Blumenau) 7 x 1 Avaí - Amistoso

21/4/1954 – Imbituba 9 x 3 Avaí - Amistoso

19/4/1976 – Artex (ex-Amazonas de Blumenau) 15 x 0 Colorido - Copa Arizona

19/6/1988 – Paulopense (Paulo Lopes) 1 x 10 Figueirense – Amistoso

11/6/1995 – Hermann Aichinger (Ibirama) 1 x 9 Avaí – Campeonato Catarinense

 

Fonte: jornais A Notícia, Folha Nova, A República, O Estado, A Gazeta, Arquivo Histórico do Figueirense, Acervo de Osni Meira e Cícero Alves.

Foto colorizada por Valter Klüser

 



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 15h54 [] [envie esta mensagem] []






GRANDES GOLEADAS DO FUTEBOL CATARINENSE - PARTE 1

  

 No estádio Euvaldo Lodi, em Criciúma, o Metropol fez 12 a 1 no Flamengo-SC

 

Iniciamos hoje uma série com as grandes goleadas do futebol de Santa Catarina. O objetivo é simplesmente mostrar alguns números históricos em partidas oficiais, amistosas e até de caráter amador.

 

27/11/1912 – Anita Garibaldi (Florianópolis) 0 x 6 Seleção Paulista – Amistoso 

17/4/1927 – Avaí 15 x 0 Alex (Florianópolis) – Campeonato de Florianópolis

3/5/1928 – Riachuelo (Florianópolis) 14 x 0 Fluminense (Florianópolis) – Amistoso

29/6/1930 – Adolfo Konder 12 x 1 Independência (São José) – Camp. de Florianópolis

13/7/1930 – Externato 13 x 0 Independência (São José) – Camp. de Florianópolis

27/7/1930 – Independência 1 x 13 Atlético Catarinense – Camp. de Florianópolis

10/5/1931 – Figueirense 1 x 12 Atlético Catarinense – Camp. de Florianópolis

9/8/1931 – Figueirense 9 x 0 Barriga Verde – Camp. de Florianópolis

2/4/1933 – Brasil (Blumenau) 15 x 2 Victória (Blumenau) - Amistoso

18/9/1938 – Atlético Catarinense 2 x 11 Hercílio Luz (Tubarão) – Amistoso

20/2/1938 – Avaí 11 x 2 Figueirense – Amistoso

10/11/1939 – Spira (Concórdia) 16 x 0 Grêmio Rio Capinzal - Amistoso

16/3/1941 – Hercílio Luz 1 x 11 Coritiba – Amistoso

26/10/1941 – Peri 10 x 2 Ypiranga (S.F. Sul) - Amistoso

12/9/1943 – Seleção de Florianópolis 16 x 3 Seleção Vale do Itajaí – Amistoso

28/11/1943 – Independência 0 x 16 Paula Ramos – Camp. de Florianópolis

3/12/1944 – Paula Ramos 0 x 11 Crispim Mira – Camp. de Florianópolis

5/4/1944 – América 10 x 1 Rio Negro (PR) - Amistoso

13/5/1945 – Avaí 21 x 3 Paula Ramos – Camp. de Florianópolis

4/11/1945 – Caravana do Ar 13 x 1 Bocaiuva – Camp. de Florianópolis

7/3/1948 – Figueirense 9 x 0 Bocaiuva (Florianópolis ) - Amistoso

28/11/1948 – Palmeiras (Blumenau) 11 x 1 Carlos Renaux (Brusque) - Amistoso

25/9/1949 – Palmeiras (Blumenau) 11 x 4 Figueirense – Amistoso

24/5/1952 – Carlos Renaux 10 x 1 Avaí - Amistoso

20/1/1963 – Metropol (Criciúma) 12 x 1 Flamengo (Curitibanos) – Campeonato Catarinense

22/3/1964 – Internacional (Lages) 9 x 1 Tamandaré (Porto União) – Campeonato Catarinense

30/3/1969 – Metropol 8 x 3 Avaí – Campeonato Catarinense

6/6/1974 – Figueirense 9 x 0 Atlético São Francisco – Amistoso

 

Foto colorizada por Valter Klüser

 



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 00h34 [] [envie esta mensagem] []






TIME PERDE DE GOLEADA E GOLEIRO É PRESO

 

 

 Lance do jogo Adolfo Konder e Caxias de Joinville. (Foto: acervo Osni Meira)

 

A decisão do campeonato catarinense de futebol de 1929 foi realizada no dia 13 de maio de 1930, no estádio Adolpho Konder, em Florianópolis. Era comum as competições terminarem no ano seguinte.

 

Jogaram Adolfo Konder Futebol Clube, time da Força Pública (atual Policia Militar) e Caxias de Joinville.

 

Depois de tornar-se campeã da Capital com relativa tranqüilidade, a equipe militar tinha como certa a conquista do estadual. Mas o que se viu em campo foi surpreendente.

 

Os joinvillenses, que também sabiam jogar muito bem, aproveitaram as excessivas falhas e nervosismo da defesa adversária e golearam por 7 a 3.

 

O Coronel Pedro Lopes Vieira, indignado com a péssima atuação do goleiro Cardoso, determinou a prisão dele por oito dias, sob a alegação que o mesmo “propositalmente procurou derrotar o seu quadro...”

 

Um cabo (acredita-se que era natural de Joinville) foi rebaixado de posto e punido também com oito dias de prisão. Motivo: ficou torcendo descaradamente para o Caxias. O Coronel afirmou que “o pão cotidiano ele consegue é na Força Pública”.

 

Fonte: livro “No Tempo do Coronel Lopes”, de Edmundo José de Bastos Junior e jornal “Folha Nova”.



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 01h40 [] [envie esta mensagem] []






SANTA CATARINA CONQUISTA TÍTULOS NA ÁSIA

 

 Seleção Catarinense que jogou na Malásia e Emirados em 1982  (Foto: Ação Esportiva)

 

Em 1982 a Federação Catarinense de Futebol organizou uma seleção e foi jogar torneios e amistosos na Ásia. Nos 17 jogos disputados na Malásia e Emirados Árabes Unidos, o time barriga-verde conseguiu 16  vitórias e um empate. Uma campanha invicta, digna da “fita azul”.

 

Na volta, trouxe histórias, experiência, dois títulos (Merdeka Cup e Torneio de Selangor) e um convite para voltar no ano seguinte.

 

26º MERDEKA FOOTBALL TOURNAMENT (Independência da Malásia)

Local: Merdeka Stadium (Kuala Lampur)

 

PRIMEIRA FASE

8/8/1982 - Santa Catarina 4 x 0 Tailândia

Gols: Rogério, Vargas, Barbiéri e Carlinhos

10/8/1982 – Santa Catarina 4 x 1 Singapura

Gols: Vargas (2), Barbiéri (2)

13/8/1982 – Santa Catarina 1 x 1 Gana

Gol: Vargas

15/8/1982 – Santa Catarina 1 x 0 Índia

Gol: Rogério

 

SEGUNDA FASE

17/8/1982 – Santa Catarina 2 x 0 Senegal

Gols: Rogério e Vargas

19/8/1982 – Santa Catarina 2 x 0 Gana

Gols: Vargas e Gersinho

20/8/1982 – Santa Catarina 2 x 0 Coréia do Sul

Gols: Rogério e Toninho

 

FINAL

22/8/1982 – Santa Catarina 3 x 0 Gana

Gols: Larri, Rogério e Gersinho

Time: Hélio dos Anjos; Toninho, Vágner, Larri e Álvaro, Carlos Alberto, Rogério (Rubenval), Barbiéri, Gersinho, Vargas e Carlinhos (Haérton). Técnico: Joel Castro Flores

 

TORNEIO FEDERAÇÃO DA MALÁSIA

 

PRIMEIRA FASE

24/8/1982 - Santa Catarina 3 x 1 Seiko (Hong Kong) – em Kuala Lampur

Gols: Gersinho (2), Oliveira

25/8/1982 – Santa Catarina 2 x 0 Seleção de Penang – em Penang

Gols: Oliveira e Álvaro

28/8/1982 – Santa Catarina 3 x 2 Malásia – em Kuantang

Gols: Rogério, Oliveira, Carlinhos

29/8/1982 – Santa Catarina 1 x 0 Senegal - em Kuala Lampur

Gols: Vargas

FINAL

30/8/1982 – Santa Catarina 4 x 1 Seleção de Selangor – em Selangor

Gols: Vágner, Barbieri, Carlinhos, Gersinho

Time: Álvaro; Toninho (Clademir), Vágner, Larri, Álvaro Carvalho, Carlos Alberto (Oliveira), Rubenval, Gersinho, Barbieri, Carlinhos. Técnico: Joel Castro Flores.

 

AMISTOSOS

1º/9/1982 – Santa Catarina 1 x 0 Sel. Torneio Selangor – em Selangor

Gol: Rogério

4/9/1982 – Santa Catarina 4 x 0 Seleção Sahbá – em Kota Kinnabalu

Gols: Barbiéri (3) e Oliveira

7/9/1982 – Santa Catarina 5 x 0 Sel. Emirados – em Dubai (EAU)

Gols: Rogério (4) e Barbiéri

9/9/1982 – Santa Catarina 2 x 0 Sel. Emirados – em Sharjah (EAU)

Gols: Vargas e Oliveira

 

RETROSPECTO

Jogos: 17 (16 V e 1 E)

Gols marcados: 44

Gols sofridos: 6

Artilheiros: Rogério (11 gols), Barbiéri (8), Vargas (8), Gersinho (5), Oliveira (5), Carlinhos (3), Álvaro Carvalho, Larri, Toninho, Vágner.

Delegação de Santa Catarina:

Presidente da FCF: José Elias Giuliari

Médico: Dr. Cláudio Bley do Nascimento

Técnico: Joel Castro Flores

Preparador físico: Joel Mendes

Massagista: José Farias Filho

Jornalista: José Bonifácio Telles (JB Telles)

Atletas: Hélio dos Anjos, Haérton, Vágner e Barbiéri (Joinville EC), Álvaro e Toninho (Blumenau EC), Clademir e Rubenval (Inter de Lages), Álvaro Carvalho e Larry (Criciúma EC), Silva, Vargas e Carlinhos (Avaí), Oliveira (Rio do Sul EC), Carlos Alberto (Paysandu), Rogério (Marcílio Dias), Larri (Joaçaba EC) e Gersinho (Figueirense).

 

Fonte: acervo do autor, Neil Morrison (RSSSF) e revista Ação Esportiva (JB Telles)



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 00h09 [] [envie esta mensagem] []






FIGUEIRENSE: O INVICTO DE PARANGUÁ

Estádio Medrado Dias em Paranaguá 

 

Em 1951 o Figueirense realizou uma excursão ao Paraná. O desempenho superou a expectativa da torcida e da delegação alvinegra. Conseguiu quatro vitórias e um empate nos cinco jogos disputados em Paranaguá.

 

O retorno foi bastante festejado em Florianópolis. A equipe recebeu o apelido de “Invicto de Paranaguá”. Nos dias atuais, o feito parece não ter a grandeza que atingiu na época, mas a rivalidade entre seleções e times dos dois estados era muito grande.

 

A campanha alvinegra:

31/3/1951 – Rio Branco 4 x 4 Figueirense

1º/4/1951 – Estiva 1 x 5 Figueirense

3/4/1951 – Seleto 1 x 2 Figueirense

6/4/1951 – Seleto 1 x 3 Figueirense

8/4/1951 – Combinado de Paranaguá 1 x 3 Figueirense

Time base: Dolly, Chinês, Garcia, Romeu, Enguiça, Geraldo, Moraci, Betinho, Gil, Bráulio e Neném.  Reservas: Cordeiro, Ciro, Meirelles, Laudares. Técnico: Carlos Dantas



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 20h33 [] [envie esta mensagem] []






SANTA CATARINA NO BRASILEIRO DE SELEÇÕES

 

Foto: Defesa maravilhosa de Gainete no Olímpico (SC x RS)

 

O Campeonato Brasileiro de Futebol entre seleções estaduais foi realizado pela primeira vez (caráter experimental), em 1922. Tornou-se oficial a partir do ano seguinte.

 

Santa Catarina inscreveu-se somente em 1926. A falta de tradição, pouco intercâmbio com centros mais evoluídos no futebol, fatores políticos e falta de boa estrutura dos clubes, impediu a formação de uma seleção forte nas competições.

 

A primeira vitória veio somente em 1942 sobre o Paraná: 4 a 3. A melhor campanha aconteceu em 1959, quando conseguiu o título da Zona Sul e disputou a fase semifinal.  A base formada por atletas do excelente time do Paula Ramos e a boa fase de Teixeirinha ajudaram no bom desempenho.

 

Os jogos do “scratch” barriga-verde:

 

PRIMEIRA FASE

Santa Catarina 1 x 1 Paraná

Data: 13/12/1959

Local: estádio Belfort Duarte (Curitiba-PR)

Árbitro: Kalil Karan Filho (PR)

Expulsão: Valério (SC)

Gols: Galego (SC) e Gauchinho (PR)

Santa Catarina – Gainete, Roberto, Ivo I, Gunga, Zilton, Nelinho, Galego, Teixeirinha, Idésio, Valério e Almerindo.

Paraná – Willian, Fernando, Carrazai, Lara, Tocafundo, Tatau, Araraquara, Odair, Oda, Ronald e Gauchinho.

 

Santa Catarina 1 x 0 Paraná

Data: 20/12/1959

Local: estádio Adolpho Konder (Florianópolis – SC)

Árbitro: Lázaro Bartolomeu (SC)

Auxiliares: Benedito Campos e Gilberto Nahas (SC)

Gol: Teixeirinha

Santa Catarina – Gainete, Ivo I, Ivo II, Roberto (Marreco), Zilton, Nelinho, Galego, Sombra. Idésio, Teixeirinha e Almerindo.

Paraná – Osíris, Fernando, Cazarraí, Lara, Bequinha, Tatau, Araraquara (Roberto), Odair, Zeca, Gauchinho, Xavier.

 

Santa Catarina 4 x 2 Rio Grande do Sul

Data: 3/1/1960

Local: estádio Adolpho Konder (Florianópolis – SC)

Árbitro: José Monteiro (RJ)

Auxiliares: Nilton Monguilhoti e José Silva (SC)

Gols: Almerindo, Idésio, Nilo e Galego (SC), Jarí e Ivo I – contra (RS)

Santa Catarina – Gainete, Marreco, Ivo I, Ivo II, Zilton, Valério, Galego, Teixeirinha, Idésio, Nilo, Almerindo.

Rio Grande do Sul – Alberto, Valério, Oswaldo, Jarí, Cléo, Canário, Dário, Lelo, Negrito, Naninho e João Borges.

 

Santa Catarina 2 x 0 Rio Grande do Sul

Data: 10/1/1960

Local: estádio Olímpico (Porto Alegre – RS)

Árbitro: Alberto da Gama Malcher (RJ)

Auxiliares: Hélio Mesquita e Artur Villarinho (RS)

Gols: Teixeirinha (2)

Santa Catarina – Gainete, Roberto, Ivo I, Antoninho, Zilton, Nelinho, Galego (Nilo), Teixeirinha, Idésio, Valério e Almerindo.

Rio Grande do Sul – Suli, Augusto, Oswaldo, Jarí, Cléo, Canário, João Borges, Lelo, Negrito, Naninho (Mauro), Zé Francisco.

 

FASE SEMIFINAL

Santa Catarina 0 x 1 Minas Gerais

Data: 17/1/1960

Local: estádio Adolpho Konder (Florianópolis – SC)

Árbitro: Alberto da Gama Malcher (RJ)

Auxiliares: Lázaro Bartolomeu e José Silva (SC)

Gol: Jorge

Santa Catarina – Gainete, Roberto (Marreco), Ivo I, Antoninho, Zilton, Nelinho, Galego, Teixeirinha, Idésio, Valério e Almerindo.

Minas Gerais – Hélio, Adalberto, Djalma, Favinho, Francinha, Klébis, Odir, Mauro, Célio, Jorge, Toledinho.

 

Santa Catarina 2 x 2 Minas Gerais

Data: 24/1/1960

Local: estádio Dr. Procópio Teixeira (Juiz de Fora – MG)

Árbitro: Alberto da Gama Malcher (RJ)

Gols: Ipojucan (2) (MG), Idésio e Almerindo (SC)

Santa Catarina – Gainete, Nelinho, Ivo I, Antoninho, Zilton, Valério, Galego, Teixeirinha, Idésio, Nilo, Almerindo.

Minas Gerais – Hélio, Aderbal, Djalma, Favinho, Klébis, Francinha, Odir, Mauro (Ipojucan), Célio, Jorge e Toledinho.



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 21h48 [] [envie esta mensagem] []






PRIMEIRO CLUBE DE SANTA CATARINA

Duas equipes de Itajaí: Estiva e C I P  

 

O primeiro clube de futebol fundado em Santa Catarina foi o “Itajayense Foot Ball Club”, de Itajaí. Alguns dos fundadores eram estudantes que haviam freqüentado cursos ginasiais em Florianópolis (Ginásio Santa Catarina), Rio de Janeiro e São Paulo. Na bagagem trouxeram bolas e iniciaram a prática da modalidade na cidade.

 

Não há registro do dia da fundação, mas ocorreu em novembro de 1911. O primeiro presidente foi Bráulio Eugênio Muller. Depois de alguns “ensaios” o primeiro jogo foi disputado em 14 de janeiro de 1912, num campo situado à rua Sete de Setembro. Jogaram duas equipes internas do Itajaiense: “Branca” e “Azul”.

 

O evento inaugural teve a presença de grande público, curioso para conhecer o novo esporte. A partida foi abrilhantada pela Orquestra Lyra de Prata. O placar final de 1 a 1 agradou a assistência.

 

A primeira diretoria oficial:

Presidente: Edgard Schneider

Vice-presidente: Irineu Bornhausen

Tesoureiro: Dorval Silva

Procurador: Edwin de Mello

 

Embora pouco prestigiado no início, o futebol de Itajaí cresceu muito e transformou-se em sensação popular. A proximidade geográfica facilitou o intercâmbio com equipes de Brusque, Tijucas e Blumenau.

 

Além do Itajayense, a cidade teve outras equipes que fizeram história: Rio Branco, Almirante Barroso, Tiradentes, Operário, Lauro Müller (campeão estadual em 1931), CIP (campeão estadual em 1938) e Itajaí Esporte Clube.

 

Atualmente, o Marcílio Dias – campeão da Recopa Sul-Brasileira em 2007 e disputando a Série C do Campeonato Brasileiro – é a segunda equipe profissional mais antiga em atividade no Estado. O clube surgiu no dia 17 de março de 1919.

 

Nota: o clube mais antigo em atividade é o Hercilio Luz de Tubarão, fundado em 22 de dezembro de 1918.



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 23h56 [] [envie esta mensagem] []






98 ANOS DO PRIMEIRO JOGO EM SANTA CATARINA

Faz 98 anos que houve o primeiro jogo de futebol de que se tem registro em Santa Catarina. O fato histórico ocorreu no dia 14 de agosto de 1910 e tornou-se um marco na história deste esporte no estado.

A primeira tentativa de formar um time ocorreu em 1904, quando Paulo Demoro, Orlando Formiga e Alfredo Trampowski, membros tradicionais famílias de Florianópolis, tentaram fundar o Sport Club Catharinense. A idéia não logrou êxito.

Em 1906, houve a inauguração do Ginásio Santa Catarina – atual Colégio Catarinense. A orientação pedagógica ficou a cargo de padres da Congregação Jesuíta, com sede em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. Eles incluíram o futebol como atividade esportiva e recreativa aos alunos internos e externos.

O começo foi de maneira rudimentar, sem marcações de campo ou regras. Um número ilimitado de alunos era dividido em dois times e o objetivo único era chutar a bola entre sarrafos fincados no chão. A bola também foi trazida na bagagem pelos padres.

A prática esportiva ficou restrita aos muros do Ginásio até agosto 1910, quando  ocorreu a primeira partida (com regras, árbitro e times uniformizados) de futebol em Santa Catarina. Um grupo de advogados, oriundos de vários estados brasileiros, veio prestar concurso de Juíz de Direito em Florianópolis.

Sabendo da prática do futebol no Ginásio, eles fizeram um desafio. Os atletas ginasianos, que contaram com a ajuda do advogado Romeu de Miranda nos ensinamentos das regras, aceitaram o convite.

 

A partida foi realizada dia 14, um domingo, no campo do Manejo, situado à antiga praça General Osório (no local hoje existe o Instituto Estadual de Educação). O local tinha este nome porque era onde os soldados do 14º Batalhão de Caçadores do Exército faziam exercícios de manejo de armas.

 

Um mutirão feito pelos jogadores deixou o local apropriado para a histórica partida. Não havia rede, apenas as traves em madeira. Os atletas do Ginásio Santa Catarina atuaram de uniforme branco com uma larga faixa horizontal vermelha na cintura. Os advogados de camisa azul e calção branco. O árbitro escolhido foi Guilherme de Figueiredo.

 

O primeiro tempo terminou empatado sem gols. No segundo, o time ginasiano saiu na frente com um gol do aluno Alfredo Schlemm. Descrições como o tempo do gol ou o local do chute - ou terá sido de cabeça? - seria exigir demais do estreante jornalismo esportivo da época. Fernando Garrocho, fez dois a zero. Os visitantes diminuíram com um gol marcado por Manoel Marques, o Neco.

 

FICHA TÉCNICA

GINÁSIO 2 X 1 COMBINADO DE ADVOGADOS

Data: 14/8/1910

Local: Campo do Manejo (Florianópolis – SC)

Árbitro: Guilherme de Figueiredo

Gols: Alfredo Schlemm, Fernando Garrocho (GSC) e Manoel Marques (CA), no 2º tempo

GINÁSIO SANTA CATARINA - Roberto Moritz; Alberto Glaser e João Cunha; Garibaldino do Amaral, Lauro Ramos e Miguel Oliveira; Fernando Garrocho, Hortêncio Goulart, Alfredo Schlemm, Pedro Alcântara e Ricardo Garcia.

COMBINADO DE ADVOGADOS - Osvaldo Figueiredo; Romeu de Miranda e Ary Campos; Osmindo Lisboa, Licínio Borralho e Fausto Carvalho; Zenon Leite, Joaquim Figueiredo, Manoel Marques, Ticho Fernandes e Otacílio Câmara.

 



 Escrito por Adalberto Jorge Klüser às 19h44 [] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 


 
 




TV Placar
Blog História do Futebol
Soccerlogos
Avaí FC
Figueirense FC
Amigos do BEC
Futebol Nacional
Um Time por Dia
 
 

Dê uma nota para meu blog